Depoimento: Jurado "C" explica nota zero dada no Jabuti

Todo ano a maior polêmica da literatura nacional está relacionada ao prêmio Jabuti. Por ser um dos prêmios literários mais tradicionais do país, tendo chegado a sua 54ª edição em 2012, publicamos aqui depoimento de Rodrigo Gurgel, o jurado C, para a Folha de São Paulo:


RODRIGO GURGEL
ESPECIAL PARA A FOLHA

Fonte:

A polêmica criada em torno de minhas notas no Prêmio Jabuti deste ano surge de um fato simples: as opiniões nascem de ânimos exaltados -e não da leitura fria e imparcial dos romances.

Notas dadas por jurado do Jabuti garantiram vitória a novato

"Nihonjin", de Oscar Nakasato, que mereceu nota dez, é narrativa voltada à imigração japonesa no Brasil, sem a pretensão de recuperar o tema com minúcias históricas, mas preferindo transformar dramas individuais ou familiares em sínteses dos conflitos humanos.

O narrador nos leva do que ele diz ser real ao que afirma ser sonho -e, no entanto, confiamos nele; passamos a ver seu sonho como verdade. Isso se deve à forma sutil com que articula e contextualiza diferentes pontos de vista, quebras de continuidade e distintos eixos de tempo.

Em sua busca pelos vestígios da memória, o Japão passa de um esboço desenhado na terra batida, metáfora do que restou aos imigrantes, à certeza, duramente construída, de que jamais se deve beber do Lete, o rio do esquecimento.

Assim, injustiças, inadaptações e preconceitos irrompem de forma aberta ou por meio de inocentes referências, mas sem descair em panfletarismo.

Merecem atenção as personagens femininas: a frágil Kimie, cuja morte desabrocha no transcorrer do Capítulo 1, gradativamente transformado numa elegia. Ou Sumie, mãe ensombrecida. E Shizue, submetida pela tradição, mas capaz de revelar inusitada sabedoria.

O livro encontra sua síntese na afirmação, próxima de uma sentença zen, de que "as palavras não foram inventadas para serem desperdiçadas". Lição que Nakasato mostrou conhecer.


ANA MARIA MACHADO

Tais faces da persuasão inexistem no romance "Infâmia", de Ana Maria Machado, no qual cansativas referências -literárias, históricas e bíblicas- surgem não para dar sustentação à trama, mas para referendar teses que se espraiam pelo romance: há uma desprezível "marca brasileira de fazer política"; a mídia age de maneira irresponsável ao denunciar casos de corrupção; o desprezo pela verdade permeia tudo.

Teses que devem ser comprovadas a qualquer preço, ainda que isso signifique tornar o enredo esquemático. Faltam dúvidas às personagens, que emitem julgamentos repetitivos, numa evidente pretensão moralizadora.

E quando percebemos que as possíveis oposições surgem de forma débil e impessoal, então a narrativa se esfacela num didatismo escancarado, nos comportamentos sempre politicamente corretos e no discurso indireto livre que não consegue dar invisibilidade à autora.


NOTA ZERO

Derrotado pelos estereótipos, o romance tem cenas inverossímeis, como a de Agenor afundando-se dias seguidos no lixo da repartição, só para garantir uma coleta seletiva perfeita.

E o tema mais importante, o sentimento de culpa do embaixador Vilhena por não ter compreendido sua filha, transforma-se numa questão secundária.

Ao desprezar a narração de uma história e preferir comprovar suas teses, a autora produziu um romance proselitista. Livro que só poderia merecer nota zero.


RODRIGO GURGEL, o jurado "C" do prêmio Jabuti, é crítico literário, autor do livro "Muita Retórica - Pouca Literatura (de Alencar a Graça Aranha)", publicado pela editora Vide Editorial.