18 de setembro de 2013

Prêmio Portugal Telecom anuncia finalistas

Iona Teixeira Stevens

Os doze finalistas foram publicados por cinco editoras

Apenas cinco editoras concentram os títulos finalistas do Prêmio Portugal Telecom deste ano, anunciados ontem, 09/09. A Companhia das Letras publicou metade dos livros na lista, ou seja, 6 dos 12 livros indicados. Cosac Naify e Record têm dois livros finalistas cada e Alfaguara um finalista. A única editora mais independente e de pequeno porte é a Grua Editora, lançada em 2008 em São Paulo, que teve um livro seu finalista na categoria conto. O escritor Valter Hugo Mãe, que levou o prêmio ano passado pelo A Máquina de fazer espanhóis, está também entre os finalistas, com O filho de mil homens (ambos da Cosac). A curadoria do prêmio é da coordenadora Selma Caetano, Antonio Carlos Secchin (curador da categoria poesia), Luiz Ruffato (curador da categoria romance) e Marcelino Freire (curador da categoria conto/crônica). O vencedor de cada categoria ganha o montante de R$ 50 mil, e quem levar o Grande Prêmio Portugal Telecom recebe mais R$ 50 mil.

Os quatro livros finalistas da categoria poesia são:
Formas do nada, de Paulo Henriques Britto (Companhia das Letras)
Porventura, de Antonio Cícero (Record)
Sentimental, de Eucanaã Ferraz (Companhia das Letras)
Um útero é do tamanho de um punho, de Angélica Freitas (Cosac Naify).

Na categoria romance, os finalistas são:
A máquina de madeira, de Miguel Sanches Neto (Companhia das Letras),
Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera (Companhia das Letras),
O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe (Cosac Naify)
O sonâmbulo amador, de José Luiz Passos (Alfaguara).

Finalmente, os quatros finalistas na categoria contos são:
A verdadeira história do alfabeto, de Noemi Jaffe (Companhia das Letras)
Essa coisa brilhante que é a chuva, de Cíntia Moscovich (Record)
O tempo em estado sólido, de Tércia Montenegro (Grua Editora)
Páginas sem glória, de Sérgio Sant´Anna (Companhia das Letras)