14 de dezembro de 2011

Notícia - Cerimônia do 7º Concurso Literário do Sistema Prisional

Apresentações culturais marcam cerimônia de premiação do 7º Concurso Literário do Sistema Prisional

O dia para eles foi de aplausos. Não só pelos textos que escreveram, pelas músicas e encenações que apresentaram, mas também, pela superação e pela vontade de mudar estampada em cada rosto. Pelo menos 50 internos participaram da cerimônia de premiação do 7º Concurso Literário do Sistema Prisional, realizado na última sexta-feira (09). Além deles, estiveram presentes familiares, professores, jurados do concurso e servidores das Secretarias de Estado da Justiça (Sejus) e da Educação (Sedu).

“Suei frio e pedi a Deus que me ajudasse. Foi maravilhoso ser aplaudido por um talento que só agora descobri que tenho. Quero continuar no caminho do teatro quando terminar de cumprir minha pena”, disse o interno da Penitenciária Semiaberta de Vila Velha, Ramerson Cardoso Evangelista, de 23 anos, que emocionou os presentes com a declamação do texto O Menestrel, de William Shakespeare.

O tema do concurso deste ano foi ‘Em que mundo você quer viver?’e contou a participação de 1.212 detentos, de 23 unidades prisionais diferentes. Os autores dos 20 melhores textos participaram da premiação e o três primeiros colocados de cada categoria ganharam um almoço de confraternização com seus familiares.

Os textos que entraram na disputa foram produzidos pelos alunos dentro de três categorias: 1ª a 4ª série, 5ª a 8ª série e Ensino Médio.

O secretário de Estado da Justiça, Ângelo Roncalli de Ramos Barros, destacou a importância das parcerias para que eventos como este aconteçam. “O evento de hoje é marcado pela esperança de vocês e seus familiares de que a transformação na vida é possível. Para que momentos assim aconteçam contamos com o apoio de muitos parceiros e é assim, unindo forças, que conseguimos promover um ambiente onde a mudança seja possível”, disse.

“O projeto do Concurso Literário não visa apenas a confecção de textos, mas busca discutir com o aluno, antes da produção das redações, a relação do tema com sua vida, qual a sua importância para a construção da cidadania e para a sociedade”, explica a coordenadora do Núcleo Educacional da Sejus, Regiane Kieper.

Para a subgerente de Educação de Jovens e Adultos da Sedu, Marcia Machado, o concurso é um reconhecimento da capacidade dos detentos e uma ajuda preciosa para a recuperação e a autoestima deles. “Ações como essas são muito importantes para a ressocialização e recuperação da autoestima dos detentos que, por meio da educação, querem qualificar suas vidas”, argumentou.

O concurso conta com a parceria das secretarias de Estado da Educação (Sedu) e da Cultura (Secult), da Prefeitura de Vitória, da Biblioteca Municipal de Vitória e da Academia Espírito-Santense de Letras Masculina e Feminina.

A primeira colocada na categoria Ensino Médio, Juliene Borges, de 25 anos, cumpre pena na Penitenciária Feminina de Cariacica. “Eu estava confiante no meu texto, mas, quando a minha vitória foi anunciada foi muito emocionante. No presídio voltei a estudar, fiz cursos, trabalhei, tudo isto está valendo a pena para mim”, disse orgulhosa mostrando seu filho.

Carlos Ambrielli Cardoso de Jesus também tem 25 e voltou a estudar no presídio: está na 4ª série do Ensino Fundamental e cumpre pena na Penitenciária de Segurança Máxima I, em Viana. “Meu texto foi sobre preconceito e do meu desejo de que todos fossem tratados da mesma maneira”, disse o interno, que ficou em segundo lugar na categoria 1ª a 4ª série.


Educação

Os participantes do Concurso estão entre os 2.364 alunos que estudam em 24 unidades prisionais do Estado. O programa educacional Portas Abertas para a Educação, que leva a educação para as prisões capixabas, foi instituído em junho de 2005 com o objetivo de proporcionar à população carcerária a garantia do direito à educação, à inclusão e à continuidade dos estudos no âmbito da Educação Básica regular para jovens e adultos.

O programa educacional é desenvolvido em parceria entre as secretarias de Estado da Justiça (Sejus) e da Educação (Sedu). Funcionam, hoje, turmas desde a alfabetização até o ensino médio, na modalidade Educação para Jovens e Adultos (EJA). As aulas são ministradas por 160 professores da rede pública estadual.

O secretário de Estado da Justiça, Ângelo Roncalli de Ramos Barros, destaca a importância da educação no sistema prisional. “O trabalho de estruturação do sistema penitenciário, que está em andamento no Espírito Santo, inclui também a ampliação das assistências aos internos, entre elas a educação. Tanto que as unidades prisionais inauguradas pelo Governo do Estado contam com salas de aula e espaços adequados para a aplicação de cursos de qualificação profissional”, enfatizou.

E, acrescentou que, “desde quando foi criado, o programa educacional tem sido implantado em unidades prisionais, inclusive naquelas destinadas aos presos provisórios. Nosso trabalho visa dar às pessoas que passam pela prisão ferramentas de transformação de sua realidade; e a educação e a qualificação são fundamentais neste processo”, destacou o secretário.


Confira a lista de vencedores:

Ensino Fundamental (1ª a 4ª série):
1º - Ana Paula Silva de Jesus, Centro Prisional Feminino de Colatina (CPF-Col)
2º - Carlos Amprieli Cardoso da Silva, Penitenciária de Segurança Máxima I (PSMA I)
3º - Igor de Assis, Penitenciária de Segurança Máxima II (PSMA II)

Ensino Fundamental (5ª ao 8ª série):
1º - Rafael Gomes Luis, Penitenciária de Segurança Média I (PSME I)
2º - Patrick de Sousa Pinto, Penitenciária de Segurança Máxima I (PSMA I)
3º - Luciara Aparecida dos Santos, Centro Prisional Feminino de Cachoeiro de Itapemirim (CPF-CI)

Ensino Médio:
1º - Juliene Dias Borges, Penitenciária Feminina de Cariacica (PFC)
2º - Luciano Pereira, Penitenciária Regional de Linhares (PRL)
3º - Cláudio de Jesus, Penitenciária de Segurança Máxima I (PSMA I)


Fonte: