Exigência de ineditismo em concursos literários

O escritor Rubens Jardim levantou a questão em seu Facebook e nós resolvemos trazer a discussão para cá.


Poema bom é poema morto


Após deparar-se com o texto abaixo, Rubens fez uma justa advertência para os organizadores desses concursos: poema bom é poema morto.

"Enquanto a música pode percorrer todas as ondas e os quadros viajem para serem vistos, e os filmes vencedores de festivais concorram a outros, e o ballet, e a ópera se repitam pelos séculos - do escritor é exigido o ineditismo. Como se aquele poema vencedor não pudesse e não devesse ser mil vezes executado, lido, ouvido. Poema ou livro que vence concurso não pode concorrer a outro. A trajetória do poema que gerou o agrado de todos os jurados é também a sua sentença de morte." (Ítalo Rovere)

Também há que se levar em conta a necessidade atual de divulgar as obras por meio da internet e das redes sociais, como forma de receber retorno do público, se tornar mais conhecido e, enfim, conseguir uma publicação em livro.

E, por fim, mas não menos importante, deve ser levado em conta o fato de que muitos dos concursos, apesar de publicarem as obras com um projeto gráfico interessante e de cederem uma quantidade de exemplares ao autor, não oferecem qualquer prêmio em dinheiro ou remuneração pela publicação dos trabalhos. A publicação é uma conquista, mas a obrigatoriedade do ineditismo acaba, por vezes, a ser uma exigência demasiado injusta diante daquilo que se oferece.


Anonimato e revelação de novos talentos


Há concursos voltados diretamente para a revelação de novos talentos e de obras que ainda não encontraram seu espaço. Nestes casos, justifica-se a exigência de ineditismo, ao menos no formato impresso, por conta do objetivo ser voltado especificamente ao que é novo.

Outros concursos são voltados à publicação de originais e, nesse caso, justifica-se - até mesmo por questões comerciais - a exigência de ineditismo em formato impresso. Ainda assim, pode-se avaliar melhor a exigência do ineditismos nos meios virtuais.

Cabe lembrar também que há concursos que funcionam como oficinas de criação, no formato desafio, cujo foco é desenvolver o trabalho em determinado período após a divulgação do tema e formato. A apresentação de texto elaborado previamente seria uma forma de burlar as regras.

Antes de encerrar, é preciso citar aquele que, a meu ver, é o principal argumento a favor da exigência do ineditismo: se o texto não for inédito, pode-se comprometer o anonimato do autor diante da comissão julgadora, caso algum de seus membros tenha lido previamente a obra.



Ineditismo em pauta


Com esta exposição um tanto quanto superficial, mas abrangente, esperamos colaborar para a discussão; e para que cada entidade organizadora possa avaliar todos os aspectos possíveis na hora de elaborar um edital que resulte em um certame que seja bom para a instituição, para os autores e, principalmente, para a literatura.